Município e empresa devem indenizar em R$ 30 mil entregador queimado com gás metano

Publicidade

A 2ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) manteve sentença de comarca do norte do Estado que condenou um município e uma construtora a indenizar, por danos morais e estéticos, no valor de R$ 30 mil, um homem que foi entregar mercadorias em uma arena multiuso e sofreu queimaduras pelo corpo.

O requerente foi orientado a deixar os produtos em uma sala, mas, quando acendeu um isqueiro para visualizar melhor o local, que estava escuro, acabou vítima de uma explosão devido ao acúmulo de gases no interior do espaço. A câmara entendeu que, embora a conduta do autor em acionar o isqueiro não tenha sido a mais adequada, certamente ele não esperava que no local houvesse substância altamente inflamável. Dos autos, consta que não havia qualquer tipo de aviso com advertência sobre tal perigo no local.

Continua após a publicidade

O desembargador Sérgio Roberto Baasch Luz, relator da matéria, explicou que município e construtora, mesmo cientes do risco, não tiveram a cautela de manter as salas abertas e devidamente ventiladas para evitar o confinamento do gás. Isso porque era de conhecimento público que, construída sobre área que servira de aterro sanitário, a obra precisava exaurir o excesso de gás metano que ainda retinha.

“Justamente por conhecer a situação e o histórico do terreno, [o requerido] deveria manter-se em constante cuidado e monitoramento para que não houvesse nenhum incidente proveniente da emissão de gases. Inclusive, externamente, mesmo após a conclusão da obra, manteve queimadores para eliminação do gás excedente, ou seja, sabia muito bem da remanescência de gases no local” concluiu Luz.

A decisão foi unânime, informa a assessoria do tribunal.

(Apelação Cível n. 2015.012086-5).

Publicidade