Companhia aérea deve indenizar em R$ 8,5 mil passageiro que teve mala estraviada

Publicidade

A 1ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) manteve decisão que obrigou uma companhia aérea a pagar indenização moral e material, no valor de R$ 8,5 mil, a viajante que teve sua mala extraviada por 30 dias, após escala com destino final a um país europeu. Ele se deslocava a trabalho e teve o desgosto de saber, no aeroporto, que as companhias aéreas contratadas haviam perdido uma de suas duas malas durante a troca de aeronaves, em escala no Brasil.

Devido ao ocorrido, o homem precisou comprar roupas novas. Um mês depois, recebeu, em aeroporto brasileiro, as malas por outra companhia aérea – a qual não tinha qualquer relação contratual com o passageiro. Nos autos, o apelado pediu o ressarcimento dos valores gastos na aquisição de vestimentas e indenização pelos transtornos.

Continua após a publicidade

No entanto, para os advogados da companhia aérea, a responsabilidade é da outra empresa, porque o sumiço teria ocorrido exclusivamente no trajeto desta e, além disso, o dano moral não estaria comprovado. O desembargador substituto Paulo Henrique Moritz Martins da Silva, relator do processo, apontou que as companhias aéreas respondem solidariamente pelo extravio de malas e que não é necessário colher provas do possível erro da outra empresa.

“Isso porque os consumidores são alheios aos procedimentos técnicos que envolvem o transporte de suas bagagens, limitando-se a saber que, entregando as malas à empresa, deveriam recebê-las em perfeito estado momentos após seu desembarque no aeroporto do país destinatário”, explicou o magistrado. Assim, a câmara obrigou a primeira companhia a cobrir os R$ 500 gastos em roupas e pagar mais R$ 8 mil por danos morais.

Segundo a assessoria do TJSC, a decisão foi unânime e se refere à Apelação Civil n. 2014.019853-5.

Publicidade