Tribunal fixa 15 anos de prisão para padrasto que abusava da enteada de quatro anos

Publicidade

grade de celaA 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC) fixou em 15 anos a pena imposta a um homem acusado de estuprar a enteada de quatro anos de idade.

O caso veio à tona após a mãe flagrar um dos ataques, que ocorriam com frequência quase diária. Apesar de réu confesso, o padrasto alegou que era a menina quem “se oferecia” para ele e que muitas vezes não sabia direito o que acontecia por estar “dopado” com remédios.

Continua após a publicidade

O desembargador Rodrigo Collaço, relator do acórdão, afirmou que, se havia iniciativa da criança, cabia a ele esquivar-se. O magistrado ressaltou que o laudo médico, embora reconheça a existência de doença capaz de dificultar o entendimento de atos ilícitos em determinados momentos, descarta a possibilidade de os remédios consumidos terem alterado o grau de consciência do réu.

Na dosimetria da pena elaborada pela câmara, foram fixados 30 anos de reclusão em regime fechado. Para isso, levou-se em consideração a frequência diária dos abusos e a proximidade do agressor e da vítima, que moravam na mesma casa. Contudo, em função da semi-imputabilidade constatada no laudo médico, a pena foi diminuída pela metade.

A decisão foi unânime, mas ainda cabe recurso.

Publicidade